Buscar
  • Letícia Gratão

O impacto das novas alterações da CTB nas financeiras.

No dia 12 de abril de 2021, entrou em vigor a Lei 14.071/2020, que alterou o CTB (Código de Trânsito Brasileiro). Ao todo, foram mais de 50 mudanças que atingiram motoristas de todo país e, claro, instituições financeiras.


Das 57 mudanças, muitas beneficiaram o motorista ao que tange preços, prazos e questões burocráticas referentes ao trânsito. Por exemplo: a validade da carteira de motorista, cadeirinha infantil, respeito aos ciclistas, uso de luz baixa nas rodovias e diminuição no valor das multas também foram pautas para a nova lei e tem chamado muita atenção de toda população. Clique aqui para ver a nova lei na íntegra.


Confira agora o principal impacto dessas alterações para as financeiras.


No universo das financeiras, a principal mudança se deu pela redução da gravidade da infração para quem deixa de transferir o veículo no prazo.


Como acontecia antes?


O proprietário que deixasse de registrar o veículo no prazo de 30 dias era acometida com infração grave, podendo ser multada em R$195,23 e havendo a retenção do veículo para regularização.


A partir do dia 12 de abril de 2021: Com a Lei 14.071/2020 do CTB, a infração passa a ser considerada média, sujeita a multa de R$130,16 e o veículo será removido.


A redução da gravidade da multa pode implicar na diminuição da emissão de documentos, o que não é bom para as financeiras.


Por que a emissão do documento é essencial na liquidação do financiamento?


Quando a instituição financeira adiciona a intenção do gravame, ou seja, coloca o ônus na garantia, não significa que o gravame foi efetuado. Este só se consolida após a emissão do documento. Além disso, a intenção do gravame poderá perder efeito caso o respectivo contrato não seja registrado até o 30º dia a contar da data de inclusão da informação no SNG

(Sistema Nacional de Gravames).


A grande questão é que muitas vezes os clientes adquirem o financiamento e não emitem o documento. Com isso, o banco segue com o empréstimo normalmente, porém, no momento da quitação do financiamento, o banco não consegue baixar o ônus da garantia que lastreou a operação de crédito.


Em regra, as Instituições Financeiras podem realizar o cancelamento da intenção do gravame, seja por desistência do financiamento, ou ainda eventual correção, em até 30 dias a contar da inclusão do mesmo. Caso ultrapasse esse prazo, é possível fazer o cancelamento somente de forma administrativa, através do “Desbloqueio de Cancelamento”. Esta modalidade é mais burocrática, já que consiste na instituição financeira fazer o enquadramento na regra de cada DETRAN, justificando os motivos pelos quais o documento não foi emitido em tempo hábil, emitir Ofício e juntar os documentos necessários a cada situação. A partir de então, os DETRANs irão avaliar, deferindo ou indeferindo as solicitações.


Quais são as consequências de não emitir o documento?


Como exemplo prático, é possível citar a seguinte situação: cidadão adquiriu motocicleta em uma concessionária, preencheu o DUT entre outros documentos inerentes a negociação, mas, devido a utilização do bem ser exclusivamente em Zonas Rurais, onde a fiscalização é muito reduzida ou nula, o financiado opta em não dar segmento ao emissão do documento.


Neste caso, além da multa de averbação decorrente da não transferência de propriedade no prazo limite, o financeira mesmo após a quitação do contrato, não conseguirá realizar a baixa do ônus, dessa forma, comprometendo as conciliações SRGVA do Regulador (BACEN), no âmbito do cruzamento do arquivo 3040 (report ao banco central, que indica operações de crédito ativas e suas respectivas garantias) onde não constará a operação de crédito ativa, versus, informações reportadas pela B3 ao BACEN, indicando os gravames/intenções ativas.


Como as mudanças do CBT poderiam ter sido favoráveis para as instituições financeiras?


O Código Brasileiro de Trânsito, em suas atualizações, não contemplou a questão do cancelamento do gravame, o qual impacta as instituições financeiras, impossibilitando a baixa da intenção do gravame. Por outro lado, a baixa deveria ser permitida, pois é uma anotação que a instituição financeira colocou apenas para travar a garantia e o Estado trava a situação de não permitir o cancelamento do gravame para que o proprietário do bem não deixe de emitir o documento e desta forma não onere a união e o estado.


Neste panorama, o que o mercado financeiro entende que o ônus deveria sobressair sobre o CPF do proprietário do carro, e não da financeira. Desta forma, deveria ser possibilitada a baixa da intenção do gravame, mas que ficasse o ônus atrelado ao CPF do proprietário ou ao chassi do veículo.


Com tudo isso, se o dono do veículo quisesse fazer alguma movimentação com o carro, teria que realizar primeiro este recolhimento. Esta seria uma forma de não penalizar as instituições financeiras, que estão presentes, na realidade, para ajudar na concessão do crédito.


Como facilitar os trâmites do financiamento de veículo com DETRANs e registradoras?


Clique aqui e fale com os especialistas da Single. Nossa equipe resolve toda parte burocrática dos financiamentos para que você precise se preocupar apenas em fechar negócios.


Pontualidade nas entregas, confiança e expertise de quase 20 anos nas maiores financeiras do país. Conheça nossos serviços e otimize os financiamentos de veículos na sua empresa.



Saiba 7 coisas sobre a nova Resolução Contran Nº 807.

9 visualizações0 comentário